Hospital Mãe de Deus treina médicos para incorporar o uso do ultrassom na prática médica

Com o avanço tecnológico, os equipamentos de ultrassom mudaram e os novos se tornaram portáteis e fáceis de transportar até a beira do leito ou até o ambulatório médico. Seguindo a tendência mundial, o Hospital Mãe de Deus decidiu promover cursos internos para treinar todo o seu corpo clínico sobre a utilização do ultrassom para guiar punções venosas profundas. “É a revolução do ultrassom com benefício para o paciente”, afirma o cardiologista e especialista em diagnóstico por imagem Marcelo Haertel Miglioranza, coordenador da iniciativa.

A primeira edição do treinamento ocorreu em agosto para os médicos do serviço de cardiologia e haverá uma nova etapa em outubro – em data ser definida pela Universidade Corporativa – para os profissionais da área de medicina interna. A meta é a de que até o final de 2018 todos os médicos do Hospital Mãe de Deus estejam aptos a utilizar o ultrassom para guiar as punções venosas profundas. Além do treinamento, o corpo clínico também faz uma boa ação, pois a taxa de inscrição é de 5 kg de alimentos que serão destinados à doação para uma instituição.

Diversos estudos comprovam que uso do ultrassom para guiar punções venosas ou para complementar o exame clínico aumenta a qualidade do atendimento médico e diminui riscos ou complicações.  Marcelo Haertel Miglioranza explica que o ultrassom é um importante complemento ao exame físico para fornecer mais informações clínicas e para auxiliar a tomada de decisões: “À beira do leito, o ultrassom portátil pode ser usado para responder questões básicas e pontuais, como para ver se o pulmão está congesto e se existe derrame pleural ou pericárdico”, acrescenta. Nos Estados Unidos, desde 2002 se recomenda que todos os acessos venosos profundos sejam guiados com o ultrassom.

“É inegável o benefício dessa evolução tecnológica”, destaca o médico ao lembrar que o Hospital Mãe de Deus já foi pioneiro em ter um equipamento de ultrassom no departamento de emergência e agora também quer ser pioneiro em ter 100% dos acessos venosos profundos guiados por ultrassom.