José Luiz Setúbal é novo gestor da Santa Casa de São Paulo

, Sem categoria

 

Candidato único, o médico e acionista do Banco Itaú José Luiz Setúbal foi eleito novo provedor da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Setúbal assumirá o cargo antes ocupado por Kalil Rocha Abdalla, que renunciou no dia 16 de abril deste ano. A provedoria vinha sendo conduzida interinamente por Ruy Altenfelder.

“A prioridade é sentar, conversar com as pessoas e começar um novo método de trabalho. Acredito que a Santa Casa estava sem uma liderança, e estou chegando para ser essa liderança e, a partir daí, começar a nova gestão”, disse Setúbal depois da eleição.

Em julho do ano passado, a Santa Casa – maior centro de atendimento filantrópico da América Latina – fechou o pronto-socorro e suspendeu as cirurgias seletivas e os exames laboratoriais, o que afetou em torno de 6 mil pessoas. Um dia depois de ter anunciado o fechamento, a Santa Casa reabriu o seu pronto-socorro e retomou os atendimentos. Em dezembro, auditoria da empresa BDO Brasil revelou que a crise financeira da Santa Casa somava débito de R$ 773 milhões. “A reestruturação das dívidas será feita no curto prazo. Vamos conversar com as autoridades e com os credores, renegociar os contratos e o que for possível, dentro de nova perspectiva”, anunciou Setúbal.

O hospital também teve problemas com o pagamento de salários de funcionários. Em março deste ano, o Sindicato dos Auxiliares e Técnicos de Enfermagem e Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de São Paulo (SinSaudeSP) entrou com ação trabalhista na Justiça, requerendo o pagamento do salário de novembro de 270 empregados, diferença do 13º salário de 2014 de todos os empregados e multas pelo atraso no pagamento das verbas de 2014. No dia 20 de maio, o Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região condenou a Santa Casa a quitar, no prazo de 30 dias, os salários devidos de 2014.

Setúbal admitiu que haverá demissões na Santa Casa, mas não revelou quando, nem quantas pessoas serão demitidas. “A Santa Casa, há dois anos, tinha 39 unidades de saúde. Hoje tem sete. A estrutura que tinha para administrar 39 [unidades] não é necessária para administrar sete”, comentou.

O novo gestor disse que, para recuperar financeiramente a instituição, pretende aumentar a participação do atendimento privado nas duas unidades Santa Isabel da Santa Casa, sem diminuir o atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS), que hoje corresponde a 95% da receita do hospital. “A Santa Casa tem dois hospitais privados que precisam ter boa gestão, o que não está acontecendo. Eles [os dois hospitais] estão com taxa de ocupação muito baixa. Queremos negociar com as operadoras e aumentar o fluxo de pacientes nesses hospitais”, destacou.