Nova gestão: Hospital Albert Einstein irá investir R$ 2,5 bilhões

, Sem categoria

O Hospital Albert Einstein (SP), nos próximos 5 anos irá investir R$ 2,4bilhões. Os maiores investimentos serão destinados à faculdade de medicina, que ganhará uma nova unidade com o valor aproximado de R$ 600 milhões, e a expansão do atual prédio hospitalar que demandará um recurso de R$ 430 milhões.

“Nosso desafio num planejamento de cinco anos é manter a sustentabilidade do setor diante dos elevados custos na saúde e decidir sobre projetos que podem ser obsoletos quando colocados em prática ou em poucos anos. Um exemplo é o novo edifício garagem. Estamos analisando sua

Nos últimos seis anos, ocupou a vice-presidência do hospital e vinha sendo preparado para substituir Claudio Lottenberg, que presidiu o Einstein por 16 anos. Atualmente, Lottenberg é presidente da UnitedHealth Brazil, dona da Amil, e lidera o conselho do hospital, onde tem uma sala em frente ao escritório de Klajner.

Questionado sobre as iniciativas do Einstein, Klajner citou diversos projetos de redução de custos. O mais recente é uma unidade de média e baixa complexidades, inaugurada em abril, que remunera as operadoras de planos de saúde de acordo com a doença, ou seja, há um preço fixo estabelecido por tratamento. Hoje, o modelo vigente e alvo de críticas é o da conta médica aberta. “Devemos abrir pelo menos mais duas outras unidades de média e baixa complexidades, mas com foco em prevenção”, disse o médico. Hoje, o hospital tem oito unidades em São Paulo.

Com a grande demanda pelo curso de medicina, lançado em 2015 e cuja concorrência é de cerca de 150 candidatos por vaga, o Hospital Albert Eisntein tem planos de abrir outras graduações na área de saúde, como biomedicina e fisioterapia. Atualmente, a instituição tem graduações de medicina e enfermagem e vários cursos de pós-graduação.

As obras para a faculdade começam já no fim deste ano e devem ser concluídas daqui a três anos. O novo campus ficará ao lado do hospital, no Morumbi, em São Paulo, num terreno doado pela família do empresário Abram Szajman. A expansão do atual prédio do hospital, inaugurado em 2006, começa a ser discutida no próximo ano. A ideia é expandir o centro cirúrgico, a UTI e o pronto-atendimento. “Postergamos a expansão por causa da crise, mas também porque conseguimos maior eficiência com adoção de melhores práticas de gestão de leitos.  Com isso, conseguimos mais 97 leitos de internação”, afirmou. Entre essas práticas está a liberação mais rápida dos quartos de internação. Isso é possível porque há cinco anos o tempo médio em que o paciente ficava no hospital era de cinco dias e atualmente é de 3,4 dias, além disso, a higienização de um leito era feita em duas horas e agora requer 40 minutos.

O hospital também irá investir entre R$ 65 milhões e R$ 70 milhões na construção de uma central de processamento de exames médicos a ser erguida na Rodovia Raposo Tavares.

Hoje, essa central fica dentro do hospital, que usará esse espaço para outras atividades.“O planejamento de cinco anos envolve ainda investimentos em tecnologia, procedimentos médicos e ações voltadas para qualidade do atendimento do hospital.”

No ano passado, o Hospital Albert Einstein registrou uma receita líquida de R$ 2,5 bilhões, o que representa uma alta de 11,2% quando comparado a 2015. O superávit aumentou 15,2% para R$ 258,8 milhões. O Albert Einstein faz parte do grupo de hospitais filantrópicos de excelência que têm isenções de impostos em troca de projetos médicos determinados pelo Ministério da Saúde.

 

 

Deixe uma resposta