Oswaldo Cruz pratica preço fixo em novo hospital

, Sem categoria

O Hospital Alemão Oswaldo Cruz, de São Paulo, investiu R$ 140 milhões em uma nova unidade hospitalar em que os procedimentos médicos têm um valor definido. Hoje, o setor trabalha com a conta médica aberta, ou seja, a operadora de plano de saúde e o paciente não sabem de antemão o preço do procedimento. Esse modelo é alvo de críticas diante dos crescentes custos no setor de Saúde.

O Alemão Oswaldo Cruz é o primeiro hospital no Brasil a adotar esse modelo de remuneração para uma unidade completa. A implementação do sistema também é recente em outros países.

Desde 2014, a Associação Nacional dos Hospitais Privados (Anahp) lidera um projeto piloto com 18 hospitais que cobram um valor fixo para determinados procedimentos, mas a iniciativa ainda não colheu frutos devido à dificuldade de definir os padrões a serem seguidos. Esses hospitais estabeleceram um valor fixo por procedimento ou doença, mas em geral os médicos usam suas próprias metodologias de trabalho e escolhem os fornecedores de materiais e medicamentos, o que acaba engolindo a margem dos hospitais. O próprio Oswaldo Cruz esbarrou neste problema e, por isso, decidiu partir para um hospital com um modelo de remuneração fixa.”Essa é uma tendência sem volta. Os custos da Saúde estão aumentando em patamares muito elevados, é insustentável”, disse Paulo Vasconcellos Bastian, presidente do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

A instituição estabeleceu o preço de 89 procedimentos de cardiologia, ortopedia, neurologia, oncologia, urologia, buco-maxilo-faciais e ligados a doenças digestivas. Todos esses atendimentos seguem um padrão médico que é definido a partir de experiências internacionais, que geram os chamados protocolos internacionais. Além disso, o hospital alemão tem uma equipe própria com cerca de 100 médicos e definiu que os materiais e medicamentos usados nos procedimentos precisam ser da Johnson & Johnson e da Medtronic. “É um hospital verticalizado para as operadoras que não têm rede própria”, resume Bastian.

Ele explicou que a escolha dos 89 procedimentos foi definida a partir de uma demanda das seguradoras e operadoras de planos de saúde. Numa segunda etapa, outros tratamentos serão atendidos no hospital batizado de Oswaldo Cruz – Unidade referenciada Vergueiro, aberto na segunda-feira.

No novo modelo de remuneração, o risco é compartilhado entre hospital, planos de saúde e fornecedores. Um exemplo: se o custo de uma cirurgia de joelho ultrapassar o preço informado inicialmente, esse adicional é pago pelo hospital. Já se o custo for inferior, o hospital fica com o ganho. Caso uma prótese ou órtese tenha que ser substituída, o fornecedor contratado não cobra pelo novo material.

“Para conseguir uma margem interessante usamos uma combinação de menor tempo possível de internação e resolutividade. Mas não adianta dar alta ao paciente antes do tempo porque, se ele retornar com o problema, esse custo será do hospital”, afirma Bastian.

Entre as operadoras que já fecharam acordo com o Alemão Oswaldo Cruz, para operar no novo formato, estão SulAmérica, Gama e Metro. Além disso, há negociações com Amil e Bradesco Saúde, segundo Fábio Katayama, superintendente operacional da nova unidade do Oswaldo Cruz, localizada no bairro da Liberdade, na capital paulista.

Essa nova unidade fica no prédio que até 2015 era ocupado pelo Hospital Santa Helena, da Unimed Paulistana. A cooperativa médica quebrou em 2015 e os donos do imóvel alugaram para o Oswaldo Cruz por 20 anos.

O prédio pertence à Fundação Antonio e Helena Zerrenner, que é ligada à Ambev. O alemão Zerrenner é um dos fundadores da cervejaria Antarctica e também do hospital Oswaldo Cruz. A fundação está construindo uma torre ao lado do hospital, que será integrada ao complexo. Segundo Bastian, ainda não está definido se essa torre, a ser inaugurada em 2019, abrigará consultórios médicos ou leitos. O prédio atual conta com 232 leitos, 13 salas cirúrgicas e três salas de endoscopia.

A expectativa é que a unidade Vergueiro tenha um faturamento de R$ 390 milhões no próximo ano, o que representa cerca de um terço da receita bruta do Hospital Alemão Oswaldo Cruz. O grupo conta com três endereços na cidade de São Paulo.

Neste primeiro ano de operações, a margem Ebitda da unidade Vergueiro deve ser negativa em 18%, com expectativa de atingir o equilíbrio em três anos. “Esse é retorno padrão de um investimento no setor. Um hospital demanda um aporte inicial alto e a abertura dos leitos, que gera receita, é feita gradativamente.”