São Paulo registra décima morte por dengue

, Sem categoria
Imagem Divulgação

Imagem Divulgação

O levantamento divulgado nesta quarta-feira (26) pela Secretaria Municipal de Saúde mostra que o total de casos de dengue confirmados na cidade de São Paulo neste ano chegou a 12.531, 10% a mais que na semana passada. Mais da metade dos casos acumulados do ano (71%) se concentra no período de seis semanas entre março e maio*. A Secretaria também confirmou outras duas mortes pela doença no município, totalizando dez óbitos neste ano.

A taxa de incidência da cidade é de 111,4 (casos para cada 100 mil habitantes), considerada média de acordo com o Ministério da Saúde (veja tabela abaixo).

Os números consideram as notificações recebidas nas primeiras 25 semanas epidemiológicas e variam na medida em que os casos são registrados pelas unidades de saúde públicas e privadas. Por isso, a cada semana, o período com o maior número de casos confirmados da doença oscila.

Apesar do crescimento de casos confirmados nas últimas semanas, o número de notificações (registros ainda não confirmados) começou a desacelerar, e é provável que o pior período da dengue neste ano já esteja superado. A Prefeitura reitera a importância de a população se manter mobilizada no combate ao mosquito transmissor e atenta aos sintomas.

Casos registrados em São Paulo

 

 

2010

 

2011

 

2012

 

2013

 

2014

Até 24ª semana 5771 4069 1056 2479 12531
Total do ano 5866 4191 1150 2617

 Detalhamento de notificações nos 96 distritos

Os casos confirmados de dengue avançam em distritos já identificados em balanços anteriores. Dos 96 distritos administrativos da cidade, 95 estão em transmissão da dengue. Em Marsilac não há registro da doença. Em 47 distritos o nível de transmissão está no início. Em 32 distritos o nível de transmissão é de alerta e 16 estão em nível de emergência.

Entre os 16 distritos com nível de emergência de transmissão, estão: Jaguaré, com 1.558 casos registrados e taxa de incidência de 3124,6 (alta); Rio Pequeno, com 754 casos e incidência de 636,5 (alta); Vila Jacuí, com 327 casos e incidência de 229,7 (média); Itaquera, com 366 casos e incidência de 178,6 (média); Tremembé, com 541 casos e incidência de 274,3 (média); Pirituba, com 384 registros e incidência de 228,7 (média); Campo Limpo, com 444 casos e incidência de 210,1 (média) e Capão Redondo, com 376 casos e incidência de 139,9 (média).

Entre os 32 distritos onde o nível de transmissão é de alerta estão Água Rasa, com incidência de 148,37 (média); Cachoeirinha, com incidência de 128,9 (média); Limão, com incidência de 133,4 (média); Santo Amaro, com incidência de 218 (média) e Tucuruvi, com incidência de 207,2 (média).

Óbitos

A Secretaria Municipal de Saúde confirmou mais duas mortes na cidade por dengue, totalizando dez óbitos provocados pela doença neste ano.

Os dois novos óbitos são de uma mulher,75, que morreu em 8 de abril e morava na República, e uma adolescente, 14, que morreu em 13 de abril e morava no Limão.

Os outros oito óbitos por dengue confirmados nos balanços anteriores, de uma criança, um homem e cinco mulheres, aconteceram no mês de abril e foram casos registrados no Jaguaré, Tremembé, Capela do Socorro e Lapa. O outro caso de homem que morreu em fevereiro foi registrado em Perus.

Ações de combate e prevenção

Nesta semana, as ações de combate à dengue realizadas pela Prefeitura contemplam as regiões Norte, Sul, Leste e Sudeste da cidade. Na Zona Norte, as subprefeituras de Cachoeirinha, Freguesia, Perus, Santana e Vila Maria, contam com mais de 300 agentes para a realização de bloqueios de criadouros, nebulizações e distribuição de toucas para caixas d’ água. A Zona Sul conta com mais de 240 agentes para as mesmas ações nas subprefeituras de Campo Limpo, Capela do Socorro, M’ Boi Mirim, Parelheiros e Santo Amaro. Na Zona Leste, as subprefeituras de Cidade Tiradentes, Ermelino Matarazzo, Guaianases, Itaim Paulista, Itaquera, São Mateus, São Miguel Paulista e Mooca contam com quase 300 agentes e mais de 20 técnicos.

Como prevenir
– Pratos de vasos de plantas devem ser preenchidos com areia;
– Tampinhas, latinhas e embalagens plásticas devem ser jogadas no lixo e as recicláveis guardadas fora da chuva;
– Latas, baldes, potes e outros frascos devem ser guardados com a boca para baixo;
– Caixas d’água devem ser mantidas fechadas com tampas íntegras sem rachaduras ou cobertas com tela tipo mosquiteiro;
– Piscinas devem ser tratadas com cloro ou cobertas;
– Pneus devem ser furados ou guardados em locais cobertos;
– Lonas, aquários, bacias, brinquedos devem ficar longe da chuva;
– Entulhos ou sobras de obras devem ser cobertos, destinados ao lixo ou “Operação Cata-Bagulho”;
– Cuidados especiais para as plantas que acumulam água, como bromélias e espadas de São Jorge; ponha água só na terra.

Sintomas
A presença de dois sinais, combinada com febre alta, é indicação para procurar o serviço médico, principalmente, quem está chegando de viagem de região contaminada. Os sintomas da Dengue Clássica como é chamada, acrescida de dor abdominal contínua, suor intenso e queda de pressão caracterizam a Dengue Hemorrágica.

– Febre alta (acima de 38°C)
– Fraqueza e prostração ou fraqueza
– Dor no corpo e nas juntas
– Dor de cabeça
– Dor no fundo dos olhos (Sem resfriado ou coriza)

Entenda o índice: Taxa de incidência de dengue**
0 a 100 casos por 100 mil habitantes – baixa incidência
100 a 300 casos por 100 mil habitantes –  média incidência
Acima de 300 casos por 100 mil habitantes – alta incidência

Deixe uma resposta