Uso de robôs em cirurgias aumenta precisão e reduz danos, aponta estudo

Ministério da Saúde avalia destinação de recursos para implantação de tecnologia no SUS

Um projeto desenvolvido no Hospital Regional da Asa Norte (HRAN), em Brasília (DF), com uso de robôs em cirurgias, será avaliado pelo Ministério da Saúde. A pasta estuda destinar recursos para implantação da tecnologia no Sistema Único de Saúde (SUS), de modo a tornar os procedimentos mais precisos e menos invasivos.

Com o uso das máquinas, é possível melhorar a precisão dos procedimentos e diminuir o tempo das operações. Além disso, os robôs permitem que os profissionais atuem em áreas do corpo de difícil acesso.

“É uma inovação que permite a visualização de tumores de forma mais detalhada, rastreando, inclusive, aqueles que não são identificados em cirurgias comuns. A tecnologia permite alto desempenho em procedimentos de ressecção de tumores e aumenta as chances de cura de pacientes oncológicos. É um avanço inestimável, porque a vida não tem preço”, pontuou o médico e diretor do Departamento de Assistência Farmacêutica, Renato Teixeira.

O Ministério da Saúde já oferece incentivos fiscais para o desenvolvimento de projetos que utilizem a tecnologia robótica. Isso ocorre por meio dos Programas de Desenvolvimento Institucional do SUS (Proadi-SUS) e Nacional de Apoio à Atenção Oncológica (Pronon), realizado por entidades filantrópicas credenciadas ao SUS.

Além disso, o governo federal já investe em dois programas em São Paulo – um no Instituto do Câncer de São Paulo (Icesp) e outro no Instituto Nacional de Câncer (Inca), direcionados ao desenvolvimento tecnológico.